Notícia

30/05/2017

Existem mulheres que sofrem mais de TPM que outras!

Quase todas as mulheres sofrem, em algum grau, com a tensão pré-menstrual (TPM) com sintomas que surgem alguns dias após a ovulação e somem assim que o fluxo menstrual chega. Dor de cabeça, inchaço, dor na mama, irritabilidade, ansiedade e depressão fazem parte desses sintomas, tendo como principal característica o fato de variarem muito de intensidade entre as mulheres, além de também variarem entre os ciclos da mesma mulher. De forma geral, considera-se que em 70% das vezes, o quadro é leve, com duração de poucos dias, trazendo pouco incômodo e melhorando com medidas simples como a prática de exercícios físicos e mudanças de hábitos de vida para diminuição de stress. Já em 20% dos casos, os sintomas são um pouco mais intensos, provocando mudanças mais evidentes no comportamento, necessitando de medicação, como os anticoncepcionais, que inibem a ovulação e a variação hormonal de estrogênio e progesterona que parece estar envolvida na gênese da TPM. Eventualmente, recomenda-se o uso contínuo das pílulas para que o fluxo menstrual nem apareça, o que pode trazer benefícios ainda maiores para essas pacientes. Por fim, uma em cada dez mulheres apresenta quadro clínico severo, com sintomas exacerbados, também chamado de distúrbio disfórico pré-menstrual. Essa situação, além do incômodo dos sintomas clínicos, pode levar a problemas sociais relevantes no ambiente familiar e de trabalho, onde a paciente toma atitudes por vezes inadequadas e que são motivo de arrependimento e constrangimento com a chegada da menstruação. Nesses casos, o uso de anti-depressivos costuma ser indicado em associação com os anticoncepcionais. Podemos ver que a TPM é muito frequente e deve ser encarada de forma séria para ajudar todas as mulheres!

Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/existem-mulheres-que-sofrem-mais-de-tpm-que-outras/


Voltar